Mergulhe nas maravilhas chilenas sem deixar de economizar

79
Vista do alto do teleférico

Olá Poupadores e Poupadoras, neste artigo vou compartilhar com vocês como foi nosso quinto dia em Santiago, capital do Chile. Trarei todos os aspectos financeiros para te ajudar a se preparar financeiramente e economizar.

Para acompanhar desde o início, clique aqui. Se perdeu o artigo anterior, clique aqui.

Nosso quinto dia foi dedicado a conhecer o cerro de San Cristóbal, ponto turístico indispensável para quem vai a Santiago. O cerro se trata de uma colina de 880m com diversas atrações de lazer e belas paisagens.

Como sempre, começamos nosso dia com um bom café da manhã, dessa vez fomos em uma das padarias e pastelarias mais tradicionais da cidade, a San Camilo, fundada em 1884. Dessa vez pedi um pedaço de bolo e, como sempre, um bom café. O pedido saiu por R$ 12,80.

Bolo no café da manhã =D

Depois pedimos ajuda para saber qual ônibus deveríamos pegar para chegar à colina de São Cristóvão, as pessoas foram muito gentis e nos orientaram muito bem.

Pegamos apenas um ônibus, que nos deixou a poucas quadras da colina. Antes de irmos até a colina, aproveitamos para tirar algumas fotos na ponte Pio Nono, onde o ônibus nos deixou. A ponte liga os bairros Bellas-Artes e Providência e é usada por casais que deixam cadeados pendurados em suas grades. Mesmo cedo a vista é bela.

De lá seguimos para a colina, chegando lá tínhamos opção de subir inteiramente a pé, ir de funicular – uma espécie de bondinho – ou ainda fazer os dois através do zoológico, em que metade é feito a pé e depois seguimos de funicular. Essa última opção foi a que escolhemos.

A entrada do zoológico custa R$ 22,47 por pessoa. O zoológico acompanha o formato da colina, começando praticamente na base e as atrações são expostas durante o caminho, em zigue-zague, até a saída, que faz conexão com o funicular, opcional e pago separadamente.

O zoológico, junto com seus animais, é muito bem cuidado e possui paisagens cada vez mais incríveis da cidade conforme você vai subindo. Possui uma boa variedade de animais como: hipopótamos, pinguins, girafas, lhamas, camelos, tigres, gorilas, flamingos, entre outros. Espetacular, o passeio é ainda melhor se for em família, as crianças vão adorar.

Na alta estação o zoológico acaba ficando lotado e isso pode estragar a experiência, se possível vá durante os dias da semana ou na baixa temporada. Fomos em um domingo na baixa temporada (15/03) e estava ótimo para visitação, sem filas e longe da capacidade máxima.

Depois da visitação compramos a passagem para subir o restante da colina através do funicular e a descida, do outro lado da colina, por teleférico. As passagens custaram R$ 24,83 por pessoa.

O funicular te leva praticamente ao do topo da colina, em uma área com algumas lojas de lembrancinhas, restaurantes e um pátio com belíssima vista da cidade para tirar fotos fantásticas. Decidimos por conhecer o restante do lugar e depois, com menos sol, voltar para tirar fotos.

Já era por volta de 14h e tratamos de comprar algo para comer, não existem muitas opções e nem pratos mais elaborados, o que você encontra basicamente é algumas bebidas, incluindo o mote con huesillos (bebida típica chilena à base de pêssego e trigo), empanadas e outros salgados.

Acabamos pedindo empanadas de carne junto com achocolatados e, de sobremesa, pedimos picolé de mix de frutas. Para nós dois, tudo saiu por R$ 37,07. Apesar de ser um lugar turístico, os preços praticados estavam dentro do que encontramos na cidade, bem diferente do Brasil, onde normalmente encontramos preços bem maiores em pontos turísticos.

Descansamos um pouco e depois seguimos para o topo da colina, onde fica a estátua de 14 metros de altura da Nossa Senhora da Imaculada Conceição construída em 1931. Abaixo dela tem uma capela onde o Papa Paulo II, em 1987, rezou e abençoou Santiago em sua única visita ao país. E, bem próximo à estátua, está localizada uma belíssima capela decorada pelo artista alemão Peter Hörn.

Depois de admirar a beleza do lugar, descemos até o pátio, em frente às lojas de lembrancinhas, e aproveitamos para admirar a vista incrível da cidade, perfeita para fotos. Ficamos mais um tempo descansando e aproveitando o momento até as 17h, quando decidimos seguir com nosso passeio.

De lá seguimos em direção ao teleférico que nos leva até o outro lado da colina, onde fica a saída junto ao parque jardim japonês. A descida dura alguns minutos e é perfeito para aproveitar a vista da cidade com as cordilheiras ao fundo, junto com o prédio mais alto da américa latina: o Costanera.

Lá embaixo, depois de descermos, tinha um artista fazendo caricaturas e, como a Dani sempre quis uma, aproveitou para levar mais uma lembrança do Chile.

Deixamos para visitar o parque do Jardim Japonês e o Costanera Center em outro dia, visto que teríamos mais cinco dias na cidade. Cansados, encerramos mais cedo nosso dia.

Precisávamos arrumar nossas malas e deixar tudo em ordem para viajar no dia seguinte para Pucón, cidade ao sul do Chile, onde ficaríamos três dias antes de passar mais cinco em Santiago.

Segue o resumo dos gastos desse dia:


Todos os preços aqui citados são referentes a um câmbio de 178 pesos chilenos para 1 real, a média que conseguimos durante nossa viagem.

No próximo artigo, você conhecerá o sexto dia dessa viagem e, claro, ficará por dentro de tudo. Não esquece de deixar o like e compartilhar com os amigos.

E antes de ir, conta pra gente se pretende viajar durante ou depois da pandemia. Se a resposta é sim, qual destino? Já viajou para o Chile e quer compartilhar sua experiência? Deixa aqui embaixo um comentário.