Como economizar sem deixar de aproveitar viagens internacionais

345
Como economizar sem deixar de aproveitar viagens internacionais

Olá Poupadores e Poupadoras, neste artigo vou compartilhar com vocês como foi nosso segundo dia em Santiago, capital do Chile. Trarei todos os aspectos financeiros para te ajudar a se preparar financeiramente para uma viagem.

Se não viu a primeira parte, clique aqui. E a segunda está aqui.

Todos os preços aqui citados são referentes a um câmbio de 178 pesos chilenos para 1 real, foi a média que conseguimos durante nossa viagem.

Seguindo com o roteiro, acordamos por volta das 8h e logo procuramos uma cafeteria próxima de onde ficamos hospedados para o café da manhã. Pedimos café e as famosas empanadas chilenas. A conta total ficou R$ 29,66.

Da cafeteria, seguimos para o palácio de Lá Moneda, sede da Presidência da República, onde tínhamos uma visita guiada as 9h30min da manhã.

O palácio tem esse nome porque antigamente funcionava no local uma fábrica de moedas, inaugurada em 1805, onde foram feitas as primeiras moedas da república chilena. Para saber mais, clique aqui.

A visita é gratuita, porém é necessário agendar previamente no site.

Receberam-nos pontualmente no horário agendado. A visita é acompanhada pelo guia junto com um guarda do palácio e tem duração de cerca de 1 hora. A arquitetura do lugar é muito linda, é possível conhecer diversos ambientes e até se esbarrar com o presidente do país, se tiver sorte. Durante o passeio, é contada a história do local, do sistema político chileno e algumas curiosidades do palácio.

Gostei, em particular, da sala das moedas, onde existe uma exposição de todas as moedas confeccionadas para cada presidente. Foi-nos explicado que são cunhadas duas moedas para cada presidente, uma com o rosto do presidente e outra com a figura do palácio. Também é feita uma única cópia que fica em posse do presidente, como lembrança.

Não quero me estender aqui, esse é um dos destinos indispensáveis no seu roteiro, principalmente se gostar de política ou arquitetura.

Assim que acabamos de sair do palácio, fomos para a o centro cultural La Moneda, logo abaixo da faixada do palácio, a entrada também é gratuita e, nesse caso, não precisa agendar previamente. O lugar possui diversas galerias com exposições sobre a cultura chilena, aconselho para quem deseja se aprofundar na cultura chilena.

Depois disso, saímos para nosso próximo destino turístico, a catedral metropolitana de Santiago, localizada a poucos minutos do palácio.

No meio do caminho, passamos em frente da bolsa de valores chilena e a rua Bandera, uma rua coloria famosa por suas cores vibrantes e exclusiva para pedestres.

Próximo à catedral, paramos para experimentamos uma das bebidas chilenas mais tradicionais, o Mote com huesillo, bebida não alcoólica feita de trigo e pêssego. Bebida adocicada e que divide opiniões. Sinceramente, achamos razoável, de qualquer modo, não deixe de experimentar!  Compramos uma no tamanho médio e o preço foi de R$ 5,61.

Mote com huesillo

Minutos depois, chegamos à catedral metropolitana que estava com a faixada bastante pichada, acredito que por conta dos protestos recentes. Essa catedral é o principal templo católico do país, tem uma arquitetura incrível. Recomendo gastar um tempo nesse destino, mesmo para os que não são muito religiosos. A entrada também é gratuita.

Depois, mortos de fome, partimos para almoçar no mercado central de Santiago, próximo à catedral. Pedi salmão grelhado com arroz e batata. Já a Dani, pediu uma comida típica peruana e chilena, o Pastel de choclo, prato com grãos de milho, carne moída, manjericão e azeitonas pretas. O milho tem sabor doce, contrastando com o restante dos ingredientes, dando aquela mistura de doce e salgado, achei bom, porém enjoativo. Para beber, pedimos suco de morango. Tudo estava uma delícia. O preço total, já com a gorjeta, saiu por R$ 137. É, comida no Chile é caro!

Primeiro almoço no chile

DICA: Em geral, os pratos chilenos são bem servidos, então se estiver em duas pessoas e quiser economizar é melhor pedir apenas um prato e dividir, a não ser que coma bastante, caso contrário, vai sobrar comida.

Bem alimentados, aproveitamos para conhecer o mercado central. De cara me lembrou o mercado municipal de Aracaju. O local possui diversos restaurantes (com preços semelhantes ao que almoçamos) e várias lojas de lembrancinhas.

DICA: O lugar mais barato para comprar lembrancinhas é no cerro de Santa Lucía, então faça suas compras lá.

Saímos do mercado central às 15h e fomos para nosso próximo destino, o cerro de Santa Lucía. No caminho, aproveitamos para conhecer um pouco do bairro Lastarria e experimentar um dos melhores sorvetes do mundo na sorveteria Emporio la Rosa. Escolhemos dois sabores: pistache e frutas vermelhas. Olha, sem dúvidas foi o melhor sorvete que já provei, valeu cada centavo. Não deixe de experimentar! O preço foi de R$ 18,53. Até que não foi caro, levando em consideração a qualidade e os preços praticados no Chile.

Cruzamos a rua e estávamos na entrada do cerro de Santa Lucía, lugar incrível e que ao chegar nos pontos mais altos é possível desfrutar de uma bela vista da cidade inteira. O lugar estava bem cuidado, tem diversos pontos para explorar e admirar, reserve pelo menos 2h para aproveitar o local. Esse é outro lugar indispensável em seu roteiro. E ainda por cima, a entrada é gratuita.

E, para encerrar o dia, solicitamos um carro por aplicativo, através do cabify (muito utilizado no chile), para o shopping Costanera, o shopping mais famoso de Santiago. O preço da corrida saiu por R$ 28,08.

Simplesmente um centro comercial enorme, nunca tinha ido em um shopping tão grande. Aproveitamos o final do dia para fazer comprinhas. Gastamos cerca de R$ 250,00 em roupas e produtos de beleza. Nem aproveitamos tanto porque chegamos próximo de fechar, então ficamos cerca de 2h no local.

DICA: diversas lojas do shopping Costanera dão descontos para os turistas, ao chegar vá em um dos guichês e se identifique para ganhar um cartão e catálogo com todos os descontos, tudo válido por 7 dias.

Catálogo com os descontos em cada loja

Na volta, decidimos pegar o metrô, tanto por ser mais em conta, quanto pela experiência e velocidade. Compramos o cartão Bip (R$ 8,14), necessário para utilizar o transporte público, e colocamos R$ 48,03 de créditos, suficiente para diversas viagens.

DICA: produtos de beleza são bem mais em conta no chile, até metade do preço do Brasil.

Depois de utilizar o transporte público de Santiago, posso dizer que é o melhor meio de transporte da cidade, considerando custo-benefício. O transporte público, principalmente por metrô, chega a ser mais rápido em muitas situações, não é tão lotado e é muito em conta. O transporte por aplicativo fica em segundo lugar, para situações mais específicas.

E depois de 17,5km de muita caminhada, finalizamos o segundo dia do nosso roteiro. No próximo artigo, você conhecerá o terceiro dia dessa viagem incrível e, claro, ficará por dentro de todos os preços.

Não esquece de deixar o like e compartilhar com os amigos.

E antes de ir, conta pra gente se pretende viajar depois da pandemia. Se a resposta é sim, qual destino? Já viajou para o Chile e quer compartilhar sua experiência? Deixa aqui embaixo um comentário.