As variações na bolsa de valores e os impactos na minha carteira

233
Confira as alterações na minha carteira e as estratégias de investimento

Nesta coluna, você vai acompanhar de perto a minha carteira de investimentos e aprender mais sobre a construção de uma carteira previdenciária.

A carteira teve uma valorização de 0,29% em setembro, dessa vez abaixo do Índice Bovespa, que valorizou 3,57%.

Continuei a desinvestir dos fundos imobiliários para aproveitar uma grande oportunidade em renda fixa. Além disso, vendi parte da minha posição em empresas supervalorizadas para comprar empresas subvalorizadas e aumentar minha reserva de oportunidades.

Por causa disso, a renda fixa teve um percentual bem maior na carteira, chegando a mais de 30%.

Foi um mês muito movimentado, abaixo você confere os detalhes das movimentações em minha carteira de investimentos.

Se quiser saber sobre toda a minha receita com investimentos, clique aqui.

Renda Fixa vs. Renda Variável

A proporção em renda fixa teve aumento de 25,44% para 36,90%. Todo esse aumento se deu pela estratégia de aumentar a reserva em renda fixa junto com a migração de parte da renda variável para a renda fixa.

A minha expectativa é que a proporção em renda fixa vá para os 30% até o fim do ano.

Rentabilidade mensal

A rentabilidade mensal é medida ao levar em consideração a variação entre o preço na liquidação de todos os ativos e os rendimentos do mês. Para saber mais sobre o cálculo de rentabilidade.

Em setembro, a rentabilidade de 0,29% foi inferior ao índice Ibovespa, que funciona como um termômetro do mercado de capitais, e valorizou 3,57%.

Não dá e nem espero ganhar todas, embora a rentabilidade acumulada seja interessante, ainda mais quando levamos em consideração que parte dos investimentos estão em renda fixa.

Para saber mais sobre os ganhos com dividendos e vendas de ativos, clique aqui.

Carteira de Investimentos

Dessa vez não houve alterações na quantidade de ativos, então a carteira continua com 26 ativos. A carteira aparenta ser muito pulverizada, mas as dez maiores posições representam 75,91%.

As maiores quedas nos ativos de renda variável foram em PMAN3 (-25,70%), OIBR3 (-20,17%) e WIZS3 (-6,85%). Toda essa queda foi compensada pelas fortes altas em VLID3 (19,76%), ECOR3 (13,71%) e UGPA3 (12,61%). É poupadores, o nome renda variável não é à toa.

Apesar de toda essa volatilidade, a variação da carteira ficou praticamente estável.

Setembro foi um mês bem movimentado, vamos falar das principais operações.

Operações

O mês começou com a venda de boa parte da minha posição em fundos imobiliários como: RB Capital General Shopping Sulacap (RBGS11), General Shopping Ativo e Renda (FIGS11) e GGR Covepi Renda (GGRC11). Zerei a posição em FIGS11 e GGRC11.

Todo o dinheiro da venda foi direcionado a empréstimos com rentabilidade de 1,5% ao mês, bem superior à que os fundos poderiam me proporcionar. Com essa mudança não só garanto uma rentabilidade maior como também uma previsibilidade melhor. O primeiro rendimento será em 10 de outubro.

Foi um mês de muitas vendas, inclusive continuei vendendo EcoRodovias (ECOR3), diminuindo minha posição de forma expressiva. EcoRodovias já foi minha maior posição em renda variável e agora passa a ser uma das menores, apenas 2,72% da carteira.

Acredito que a empresa está supervalorizada, com isso vou realizando vendas aos poucos para aproveitar oportunidades mais interessantes. Já comentei sobre essa estratégia no artigo passado.

Aproveitei bastante toda a valorização que a empresa teve nos últimos meses, vejam a seguir:

Agora indo para as compras. Aumentei um pouco minha posição em Wiz (WIZS3), empresa que gerencia a parte de marketing e vendas do seguro da Caixa Econômica Federal. Agora é o ativo de renda variável com maior relevância na minha carteira. É uma posição com alguns riscos, mas sigo confiante no case, principalmente pelo meu preço médio estar bem baixo: R$ 8,39 por ação sem descontar dividendos.

Outros ativos que aumentei posição foram Eucatex (EUCA4), Ultrapar (UGPA3), CSU CardSystem (CARD3) e Ferbasa (FESA4).

Dessas gostaria de comentar Ferbasa, ação que quase dobrei a posição. O racional foi simples, a empresa ganhou na justiça créditos tributários no valor de R$ 190 mi por causa de cobranças indevidas do ICMS. Isso por si só representa algo na faixa de R$ 2,00 no preço da ação. Então acredito que foi a oportunidade de comprar ações de uma ótima empresa por um preço mais barato.

E como saíram dois fundos imobiliários, decidi por adicionar duas ações: Valid (VLID3) e Klabin (KLBN4). Vamos falar rapidamente do racional para adição da Klabin.

Sempre que adiciono uma ação para longo prazo, gosto de olhar o histórico de lucros e dividendos. O resultado dos últimos 10 anos pode ser consultado através do site fundamentus.

É fato que a empresa teve alguns prejuízos, mas isso faz parte do setor em que ela atua.  O principal produto da empresa é a celulose, uma commodity sobre a qual a empresa não tem controle do preço. Apesar disso, a Klabin tem um bom histórico, melhor ainda quando olhamos para os dividendos, constantes e crescentes.

Mas esse é o passado, precisamos olhar também para o presente e para o futuro. Uma coisa importante a analisar é se a empresa tem alguma vantagem competitiva em relação aos concorrentes, pois isso agrega margens e ajuda na perenidade do negócio.

Pois bem, a Klabin tem fortes vantagens competitivas, isso ocorre porque graças ao clima e solo brasileiro o eucalipto consegue ser extraído mais rapidamente do que em qualquer lugar do mundo. Enquanto na Klabin o período de colheita dura sete anos, em outros lugares dura 12. E não só para esse tipo de madeira, no caso da fibra longa de pínus a Klabin leva 14 anos enquanto na Europa leva de 30 a 40 anos.

Além desses pontos, gostaria de destacar um terceiro, o projeto Puma 2. A Klabin anda investindo bastante em ampliação e modernização do seu parque fabril, isso permitirá à empresa reduzir custos em 25%, além de aumentar a produção de embalagens que possuem margens melhores e um produto beneficiado com as compras pela internet que são cada vez mais expressivas. 

No mais, continuo deixando minha reserva para oportunidade e emergência lá na NuConta, rendendo 100% do CDI sem burocracia. Sigo aguardando boas oportunidades para investimento.

Para fechar!

Foi um mês bem movimentado, movimentei mais de 8% da carteira, esse giro já deve diminuir agora em outubro.

Independente disso, sigo comprando em bolsa até que não tenha mais oportunidades que valham a pena. E para auferir melhores resultados, é importante aumentar ou diminuir o percentual em reservas de oportunidades conforme expectativas das crises. Saiba mais sobre o assunto.

A inflação continua comedida e abaixo do centro da meta do governo. Portanto a expectativa é de redução da taxa básica de juros (Selic), alguns agentes financeiros já imaginam que os juros tendem a chegar em 4,50% até o fim do ano.

Caso o Banco Central baixe a taxa de juros, normalmente isso beneficia o mercado de renda variável, pois a renda fixa rende menos e o investidor tende a se arriscar mais para auferir maior rentabilidade.

Se ainda não investe na bolsa e deseja dar o primeiro passo e aproveitar todo o potencial de alta, clique aqui.

Quem deseja saber mais sobre fundos imobiliários, clique aqui e aqui. Para conferir nossa primeira análise de fundos imobiliários, clique aqui.

É isso, Poupadores! A cada mês dou um passo para a liberdade financeira. Espero que este conteúdo te ajude a ver que é possível para qualquer um montar sua própria carteira previdenciária e garantir uma boa aposentadoria.

Se gostou do conteúdo, não esqueça de compartilhar com os amigos.

Deixe um comentário, queremos te ouvir para podermos trazer mais conteúdo sobre investimentos e te ajudar na construção da sua carteira de investimentos.