Altos e baixos na renda não são um problema se você souber lidar com eles

523

Neste mês a taxa de poupança ficou em 24,42%, abaixo da média acumulada (30,12%). Em relação a agosto de 2017, a receita reduziu 8,48%, enquanto as despesas aumentaram em 25,66%. A redução na receita ocorreu devido a uma menor participação nos lucros no trabalho. Na parte das despesas, este mês houve uma pequena parte da manutenção e alguns gastos com saúde para o Léo, nosso cachorro.

Nesta coluna, você acompanha meu orçamento mês a mês. Saiba mais sobre a Jornada da Riqueza.

A categoria ‘Higiene e Beleza’ passou a ser ‘Cuidados Pessoais’, o que dá maior clareza sobre a representação dessas despesas.

Receitas

A redução de 8,48% este mês se deu, em grande parte, devido a um menor valor de participação nos lucros  da empresa onde trabalho. Lá os lucros são distribuídos em dois meses no ano. A quantia referente ao segundo semestre do ano anterior é paga em fevereiro e outra parte, referente ao primeiro semestre do ano atual, em agosto. Por outro lado, a queda só não foi maior porque a restituição de imposto de renda foi feita este mês.

A renda passiva, proveniente de juros e dividendos, foi equivalente, em 2018, a 4,30% enquanto no mesmo período do ano passado foi de 0,35%. Desta vez, a grande diferença foi a distribuição dividendos e juros aos acionistas no mês de agosto por várias empresas. Isto não é algo que acontece todo mês, em setembro essa distribuição será bem menor.

Já em relação ao mês passado, a redução foi de 28,26%. Isto ocorreu porque no mês de julho eu recebo dobrado, um dos privilégios de ser bancário. Esse fator tem um grande impacto na minha receita, por ser minha principal fonte de renda.

O gráfico torna mais fácil de perceber como minha renda varia durante o ano.

Despesas

Quando comparado ao mês passado, é possível perceber uma redução de 21,88%.

Houve redução significativa em Transportes (67,64%), Habitação (34,66%) e Lazer (55,11%).

Na categoria “Transportes”, houve apenas um pequeno gasto com manutenção este mês, no próximo já deve retornar à normalidade. Com “Habitação” os gastos voltaram à normalidade, diferente do mês passado, quando houve muitos gastos com o nosso cachorro. E “Lazer” sofreu redução porque saímos para restaurantes mais baratos e, diferente de julho, não houve gastos com hospedagem.

Por outro lado, houve mais gastos em Saúde (284,45%), Vestuário (66,21%) e Cuidados Pessoais (72,52%).

Este mês, a categoria “Saúde” teve um expressivo aumento, explicado por gastos com dentista e vacinas, consultas e exames para o nosso cachorro filhote de quatro meses, Léo.

Nosso filhote com 4 meses, Léo.

Até o início do ano, costumávamos concentrar os gastos com “Vestuário” em determinados meses, estamos diluindo mais durante o ano. Mesmo assim, ainda tem meses em que saímos às compras, como foi o caso.

Por fim, tanto minha esposa quanto eu, mudamos os cortes de cabelo e, por isso, gastamos mais com “Cuidados Pessoais”. Às vezes temos que dar uma modernizada, faz parte!

Previsto x Realizado

Embora alguns meses apresentem grandes despesas, ao comparar o acumulado de janeiro a agosto de 2017 com o mesmo período 2018, é possível perceber que a elevação de despesas foi muito pequena, de apenas 0,34%.

Algumas categorias ainda estão acima do previsto, mas conforme comentado no mês passado, há uma previsão de menores gastos durante o restante do ano. Isso fará com que as despesas fiquem dentro do previsto até o fechamento do ano.

A poupança realizada sofreu uma pequena redução de 30,81% para 30,12%. Aqui esperava uma redução menor, a previsão era ficar acima do previsto em setembro, mas pelo visto vai ficar para outubro.

Te vejo em setembro com os próximos acontecimentos! Gostou? Tem dúvidas ou sugestões? Comente aqui.