Saiba como se preparar financeiramente para uma viagem para o Chile

251
Saiba como se preparar financeiramente para uma viagem para o Chile

Olá Poupadores e Poupadoras, neste artigo vou compartilhar com vocês todos os gastos que eu e minha esposa tivemos em nossa primeira viagem internacional para o Chile. Com essa experiência valiosa, quero te ajudar a se preparar financeiramente para uma viagem e apresentar um pouco desse destino incrível.

Primeiro, gostaria de começar falando o porquê de escolhermos o Chile. Vários fatores contribuíram para a escolha, como o idioma, a proximidade, ser o país mais desenvolvido da América do Sul e, por último, mas não menos importante, pela beleza. Saca só:

Com o destino escolhido, o próximo passo foi planejar uma data e o orçamento. Quanto maior a antecedência do planejamento, melhor, pois você poderá conseguir boas economias. Os benefícios começam pelo período maior para poupar dinheiro, diluindo bastante o valor poupado e deixando os juros compostos trabalhar mais tempo ao seu favor. Isso diminuirá o custo total da viagem.

Por exemplo, se você for fazer uma viagem daqui a dois anos e pretende gastar R$ 10 mil, você faria uma poupança mensal de R$ 402 e, na verdade gastará, utilizando uma taxa de juros de 3,9% a.a., R$ 9.648,00. Uma economia de aproximadamente R$352,00. Para outras simulações, utilize uma calculadora de juros compostos.

Quando estiver mais próximo da viagem, por volta de 6 meses, é hora de começar a definir tudo o que pretende fazer no seu destino. Para te auxiliar quanto a isso, recomendo que pesquise canais sobre viagem no youtube. Um dos que adoro e recomendo é o do viajante independente.

A partir dos vídeos, passamos a anotar tudo o que achamos interessante para construir um roteiro com a nossa cara, desde restaurantes, locais, hospedagem, dicas e também o que evitar.

Nossa viagem estava incialmente orçada em R$ 10 mil e seria concentrada em Santiago (capital chilena) e arredores. Porém, assistindo vídeos sobre o Chile, nos deparamos com passeios para escalar o vulcão Villarica na cidade de Pucón, localizada a cerca de 780km ao sul de Santiago. Concordamos que seria uma experiência incrível e que esse destino não poderia ficar de fora. E, por conta desse passeio, adicionamos esse destino e aumentamos o orçamento para R$ 12 mil.

Um dos maiores gastos de uma viagem é o transporte de ida e volta. Em nosso caso, para duas pessoas, conseguimos, a ida e volta por R$ 2.771,84, inclusa uma mala de 23kg. Esse valor representa 23,09% do orçamento da viagem inteira, por isso tenho duas dicas importantes nesse ponto.

A primeira, busque comprar passagem com antecedência. Passamos a monitorar o preço por volta de 6 meses antes da viagem e conseguimos esse ótimo preço comprando com quase quatro meses de antecedência. Os preços mais comuns ficavam por volta dos R$ 4 mil. Sem dúvidas uma economia relevante.

E a segunda é buscar fazer viagens menos frequentes, porém mais longas, diluindo esse gasto por um período maior. Por exemplo, ao invés de fazer uma viagem de 6 dias anualmente, é mais barato fazer uma de 12 dias a cada dois anos.

Foi o que fizemos com nossa viagem, planejamos 13 dias. Seria inviável gastar apenas R$ 12 mil se fosse duas viagens anuais, afinal seria cerca de R$ 5,5 mil só com ida e volta. Com essa economia, você poderia utilizar tanto para estender a estadia quanto para elevar o padrão da sua viagem.

Falando um pouco da viagem em si, nosso planejamento envolvia cinco dias em Santiago, depois três dias em Pucón e, por fim, mais cinco dias em Santiago. Achamos o prazo adequado para conhecer muitas das atrações disponíveis na época. O Chile tem as quatro estações climáticas bem definidas, sendo impossível conhecer toda a beleza e as atrações do país em apenas uma época do ano. É um país que, sem dúvidas, deve ser visitado mais de uma vez.

Tentando aliar economia e aproveitar ao máximo, escolhemos viajar no período de 11 a 24 de março, na transição (20 de março) do verão para o outono por dois motivos. O primeiro, não queríamos ir nas estações mais frias, pois moramos em uma região que faz calor o ano inteiro e não queríamos comprar roupas de frio que seriam utilizadas apenas na viagem e que gerariam um gasto extra. Quem sabe em outro momento, quando tivermos condições financeiras ainda melhores. O segundo, para evitar época de alta temporada, quando normalmente os preços são inflados e a qualidade é menor por conta do grande número de turistas. Fora disso, os passeios são mais agradáveis e baratos.

Por hoje é isso, nos próximos artigos falarei um pouco mais do Chile, do nosso roteiro e de outras dicas para você economizar e aproveitar mais sua viagem. Confira.

Mas antes de ir, conta pra gente se já pensou em viajar para o Chile? Achou nosso orçamento caro? Já viajou para o Chile e quer compartilhar sua experiência? Deixa aqui embaixo um comentário.