Menos é mais: partindo para uma análise qualitativa dos veículos

634

Nos artigos anteriores discutimos sobre as necessidades básicas que seu carro precisa atender, depois falamos das princiapis carrocerias disponiveis e quais necessidades atendem e finalmente separamos 9 modelos baseados no meu estudo de caso.

Agora que já filtramos a lista de modelos disponíveis, podemos partir para uma análise mais qualitativa. Vamos começar por descartar modelos que tenham projetos antigos. Comprar um carro com projeto antigo é como comprar um celular ultrapassado, aquele celular que não tem as tecnologias do momento.

O projeto do carro é de extrema importância por causa dos padrões de desempenho, refinamento e segurança. Projetos mais antigos normalmente não estão preparados para as novidades ou os novos padrões exigidos pelo mercado.

Um exemplo claro de projeto antigo é o Fiat Uno Mille. A legislação brasileira passou a exigir dois airbags e freios ABS para todos os carros produzidos a partir de 2014. Mas o projeto era tão antiquado que não permitia adicionar esses itens, então a Fiat teve que parar de fabricar o modelo.  Existe também o caso de projetos que contemplavam essa adição, mas não permitia adição de outros itens que agregam valor para o consumidor. Foi o caso do Palio, essa alteração só deu uma pequena sobrevida ao carro, que logo ficou para trás.

Existem carros com projetos de décadas que, por mais que passe por aprimoramentos, dificilmente chegarão ao mesmo nível de projetos mais modernos, que contemplam as exigências mais atuais. Um desses casos é a central multimidia, hoje presente em grande parte dos modelos, mas que não pode ser adicionada a todo projeto antigo, que não permite a adaptação necessária para o item.

Sempre que possível, dê preferência a projetos novos. Assim, você terá um carro que contempla as exigências da atualidade.

Outra questão importante é o histórico e a confiabilidade do fabricante. Preste atenção à maneira como algumas marcas reagem quando um produto apresenta defeito e se elas levam em consideração a segurança dos carros.

Nem sempre está claro o quanto um carro é ou não seguro. Felizmente nos últimos anos surgiu o LATIN NCAP, instituto que avalia a segurança dos carros na América Latina. Dê atenção a esse item, pois pode custar a sua vida ou da sua família.

Eu mesmo já perdi um amigo que sofreu um grave acidente, chegou a ser socorrido e morreu pouco depois no hospital. O carro era péssimo em segurança. Caso fosse um mais seguro, a história poderia ter um final diferente.

Outro ponto a observar é avaliar a manutenção do veículo escolhido. Se possui algum defeito crônico, satisfação dos donos, facilidade em encontrar peças, etc.

Recomendo dois sites para saber mais sobre esses detalhes: carrosnaweb e icarros.

Caso esteja trocando de carro, é essencial fazer uma avaliação dos pontos positivos e negativos do seu veículo com o objetivo de manter os positivos e escolher uma opção que corrija os negativos.

Confira os nove modelos antes dessa avaliação qualitativa:

 

Depois de fazer uma análise desses pontos, eliminei quatro opções.

O Fiat Punto, Renault Sandero e Volkswagen Fox foram deixados de lado por serem projetos muito antigos, do início dos anos 2000. Todos claramente atrás das outras opções que iam de 2007 a 2012.

Já o Chevrolet Ônix foi descartado pela baixa segurança. A Chevrolet tem deixado a segurança de lado não apenas no Ônix, mas em diversos outros modelos. O que poderia justificar um Volkswagen Polo com 5 estrelas e Chevrolet Cruze com 4 estrelas custando o dobro do preço?

No caso do Ônix, no primeiro teste sua nota foi zero. Após críticas, a montadora melhorou a estrutura do carro e obteve três estrelas. Ainda assim, abaixo de todas as outras opções, com quatro estrelas cada.

Vejam vários modelos da Chevrolet, até 2015, avaliados pelo Latin NCAP e percebam como, de maneira geral, a Chevrolet dá muito pouca atenção à segurança dos seus carros.

Resultado da Chevrolet no Latin NCAP até 2015
Resultado da Chevrolet no Latin NCAP até 2015

Dos cinco carros que permaneceram na lista, o único que não tem avaliação pelo Latin NCAP é o Honda Fit. Apenas a terceira geração, que veio a partir de 2015, desse modelo foi avaliada. Mesmo sem essa informação, é possível aferir que o Fit de segunda geração é seguro pelo histórico da marca. Vejam as notas do carros da Honda testados pelo Latin NCAP até 2015.

Resultado da Honda no Latin NCAP até 2015
Resultado da Honda no Latin NCAP até 2015

Assim, saimos de nove modelos para apenas cinco opções:

 

No próximo artigo continuaremos a aprofundar a análise avaliando equipamentos, segurança, finanças e design. Até lá, Poupadores.

Fique de olho e acompanhe também nossas redes sociais. Tem alguma dúvida ou sugestão? Deixe um comentário.