Aprenda a construir um orçamento financeiro e tenha o controle sobre seu dinheiro

0

Se nunca ouviu falar em orçamento financeiro, nunca fez um ou pretende aprimorar o seu, este artigo é para você.

De forma objetiva, o orçamento financeiro é um planejamento com a previsão das receitas e despesas de um determinado período de tempo.

Os três principais benefícios desse planejamento são:

  • Definição de prioridades, afinal o dinheiro é finito e você precisará fazer escolhas;
  • Organização financeira, de forma a lidar melhor com questões do dia a dia;
  • Compreensão dos seus próprios hábitos de consumo.

Existem diversos métodos para elaborar um orçamento. O que utilizo é uma variação do método dos potes. Basicamente, este método divide seu dinheiro em seis ‘frascos’, cada um é responsável por certos tipos de despesas. No meu caso, divido as despesas em dez categorias: Alimentação, Educação, Habitação, Higiene e Beleza, Lazer, Poupança, Saúde, Transporte, Vestuário e Outros para despesas ocasionais.

O meu orçamento é feito anualmente, dessa forma ganho praticidade já que não preciso elaborar um orçamento por mês. Ainda assim, é feito um acompanhamento e os ajustes necessários todos os meses. Dessa maneira, consigo ter um orçamento flexível e prático.

Como construir seu orçamento

Comece com as receitas, levante o montante ganho no ano anterior, some salários e qualquer outro rendimento que teve. Vamos supor que seu salário foi de R$ 3.000,00, o que resulta em um total anual de R$ 36.000,00.

A próxima etapa é elaborar as receitas do ano atual. Digamos que está no mesmo trabalho e já foi acordado um reajuste salarial no valor de R$ 100,00 a partir do mês de junho, neste cenário teríamos R$ 36.600,00; R$ 18.000,00 do primeiro semestre e R$ 18.600,00 do segundo. Conforme exibido a seguir:

Ano Anterior Ano Atual
Total R$ 36.000,00 R$ 36.600,00

 

Um erro bastante comum é considerar o crédito dos cartões, cheque especial ou qualquer outra fonte de empréstimos como receita. Entra na conta apenas o que efetivamente for receber.

Agora que já temos o valor máximo a ser gasto, neste caso R$ 36.600,00, podemos seguir para a segunda etapa.

O próximo passo é definir quanto dos R$ 36.600,00 vão para cada uma das dez categorias. Comece por uma categoria que seja mais simples de mensurar para você. Digamos que seja alimentação, que geralmente é uma categoria que sofre pouca variação.

Mais uma vez começamos pela referência do último ano. Digamos que os gastos com alimentação foram de R$ 7.200,00, o que corresponde a 20% da renda total, tendo como base a receita do ano anterior de R$ 36.000,00.

Muitas pessoas não possuem o hábito de anotar os gastos, se este for seu caso fique tranquilo conseguirá construir seu orçamento ainda assim, ele apenas ficará menos preciso no começo. Faça um orçamento preliminar e, conforme for anotando as despesas, reavalie mensalmente seu orçamento o deixando cada vez mais preciso. Para realizar o orçamento preliminar, considere os gastos fixos, aqueles que você paga todo mês, faça chuva ou faça sol, como aluguel, energia, água, internet, etc. Depois faça uma estimativa dos demais gastos.

Pois bem, vamos supor que você manterá o mesmo patamar de gastos nessa categoria para o ano atual, neste cenário teremos 20% de R$ 36.600,00, ou seja, R$ 7.320,00. Conforme pode ser visto a seguir:

Ano Anterior Ano Atual
Alimentação R$ 7.200,00 R$ 7.320,00

 

Assim seguimos para a categoria seguinte, vamos presumir que seja habitação. Suponhamos que no ano anterior foram gastos R$ 10.800,00; 30% dos R$ 36.000,00. Para o ano atual imaginemos que os gastos serão equivalentes ao do ano anterior, porém com o gasto extra de uma TV no valor de R$ 1.000,00. Dessa forma, a estimativa seria de R$ 10.980,00 (30% da receita) + R$ 1.000,00 da TV, ou seja, R$ 11.980,00, o que corresponde a 32,73% dos R$ 36.600,00. Conforme a seguir:

Ano Anterior Ano Atual
Alimentação R$ 7.200,00 R$ 7.320,00
Habitação R$ 10.800,00 R$ 11.980,00

 

Uma outra categoria que gostaria de comentar é a da Poupança, trata-se do valor a ser poupado, não confundir com o investimento poupança, independente onde será investido o valor poupado será necessário para construir uma reserva de emergência e para financiar seus objetivos futuros, sejam eles: trocar de carro, comprar uma casa, realizar viagens, aposentadoria,  etc. Essa categoria é a responsável por trazer tranquilidade financeira para seu futuro, em outras palavras, é um investimento que fará em você mesmo. Como referência, utilizaremos 10% em ambos os anos, ou seja, R$ 3.660,00. Conforme tabela a seguir:

Ano Anterior Ano Atual
Alimentação R$ 7.200,00 R$ 7.320,00
Habitação R$ 10.800,00 R$ 11.980,00
Poupança R$ 3.600,00 R$ 3.660,00

 

Agora basta seguir o mesmo raciocínio para as demais categorias até terminar o orçamento. No fim, você poderá se deparar com três cenários: suas despesas são menores, iguais ou maiores que a receita. O caso de despesas iguais a receitas é o cenário ideal e não necessita de nenhum ajuste, diferente dos outros dois, vamos analisar abaixo cada um dos outros dois cenários.

Despesas maiores que a receita

Utilizando o exemplo do artigo, se o total das despesas foi maior que R$ 36.600,00 de receita, então existem dois caminhos: aumentar a receita ou diminuir a despesa. O primeiro caso é mais difícil que o segundo, já que requer normalmente mais qualificação e isso não acontece de um dia para o outro. Já o segundo normalmente é controlável, basta levantar as despesas supérfluas e corta-las, o que não é tarefa fácil, mas é essencial parar criar um orçamento que possa ser cumprido.

Despesas menores que a receita

Este cenário é melhor e mais simples de resolver, você tem duas opções: aumentar seu padrão de vida atual ou aumentar o valor da categoria Poupança, o que permitirá viver melhor no futuro. No primeiro caso, basta aumentar o valor das despesas nas demais categorias fora a Poupança. No segundo, você aumentará apenas a categoria Poupança, assim acumulará mais dinheiro, ganhará mais dinheiro com juros e poderá ter uma vida muito melhor no futuro.

Conclusão

Se não possui um orçamento, comece a construir um, ele não precisa começar perfeito, o aprendizado com suas finanças será constante e é normal ir realizando ajustes no meio do caminho. Tente começar a poupar desde o início, nem que seja apenas 1%, eu comecei com menos de 5%, e aos poucos fui me conhecendo, aprimorando meus gastos, fazendo mais com menos, e hoje consigo poupar 35%.

Ainda com dúvidas sobre orçamento? Dificuldades em registar e acompanhar suas despesas? Quer saber onde e como registrar? Dúvidas sobre onde investir o dinheiro poupado? Comente aqui.